Mitos sobre a segurança dos cosméticos

Listamos algumas dúvidas sobre a real segurança dos cosméticos. Nós sabemos que um adulto utiliza em média 9 produtos de higiene pessoal por dia, portanto é bom ficarmos atentos a composição desses produtos que usaremos durante toda a vida. 

Mito: se foi liberado para uso e pode ser comprado nas lojas, é seguro.
Verdade: nem sempre, algumas substâncias usadas em cosméticos são muito controversas pois os estudos provam sua segurança até certo ponto. Muito componentes mostram efeitos adversos que nem sempre são considerados na amostragem total da pesquisa. Desconsideram interação com outras substâncias e seu uso a longo prazo. Ou seja, há lacunas e dúvidas.  Por isso não considere seguro tudo que está à venda. Questione a composição dos produtos que você está levando para casa.




Mito: os órgãos do governo jamais liberariam substâncias que não são seguras.
Verdade: Segundo o EWG (Environmental Working Group) qualquer ingrediente pode ser usado sem revisão dos órgãos do governo ou aprovação do FDA e cita o exemplo da União Europeia que proibiu mais 1000 ingredientes de uso em cosméticos enquanto a FDA (Foods and drug administration) proibiu apenas alguns componentes. Também vemos com alguma freqüência substâncias que antes consideradas seguras, após alguns anos são proibidas, pois ainda se desconhecia alguns efeitos adversos. Sendo assim, entender melhor a composição dos seus produtos e fazer boas escolhas é a melhor forma de se proteger.


Mito: os ingredientes em cosméticos são totalmente seguros, pois na sua grande maioria não são absorvidos.
Verdade: durante toda a nossa vida entramos em contato com diversos ingredientes cosméticos através da inalação, boca e principalmente pela pele. Isso se agrava pois desconhecemos a interação real dessas substâncias em nosso organismo. Não são poucas as pesquisas apontando a toxidade de diversos componentes cosméticos e as conseqüências para a nossa saúde.  Um exemplo é uma pesquisa citada pelo EWG onde foram detectados 16 produtos químicos potencialmente tóxicos - ftalatos, triclosan, e parabenos em amostras de sangue e urina de 20 meninas adolescentes . Estudos ligam esses produtos químicos com potenciais efeitos na saúde, incluindo câncer e desordens hormonais.



Mito: produtos para crianças e hipoalergênicos são mais seguros.
Verdade: nem sempre. Fórmulas cosméticas para crianças podem conter substâncias que não são seguras. Fiz uma análise de um sabonete líquido para bebe, de uma marca nacional e comumente encontrada em supermercados e drogarias. O resultado da composição analisada pelo EWG Skin Deep Data Base apontou risco geral moderado, com uma pontuação média 4. Também apresentou risco moderado para câncer, alergias e imunotoxicidade e uma lista de componentes bastante suspeitos. Você usaria em seu filho um produto que contém substâncias que não são 100% seguras?

 Mito: Ler rótulos de cosméticos é muito difícil.
Verdade: para quem não está familiarizado com os ingredientes descritos em cosméticos, pode parecer a princípio impossível conseguir decifrar aqueles nomes tão complicados. Porém é muito importante que você conheça a composição dos produtos que vão entrar em contato com sua pele. Há anos atrás rótulos de produtos alimentícios eram considerados difíceis de serem interpretados mas hoje já conseguimos ter mais familiaridade com calorias, proteínas e etc. O mesmo deve ser feito com seus cosméticos, e para facilitar essa compressão indico o site EWG Skin Deep Data Base. Nele você pode analisar os rótulos dos seus produtos ou verificar aqueles já catalogamos nas próprias listas do site. O sistema gera uma interpretação das substâncias contidas na formula que você descreveu facilmente através de um formulário, e mostra através de um score o risco e a nota de cada componente. Fica mais fácil escolher seus produtos com mais segurança.



Copyright © 2014 Inspire-se